quinta-feira, 2 de maio de 2013

Resenha: As Crônicas de Nárnia–O Sobrinho do Mago

as-crc3b4nicas-de-nc3a1rnia

  Sinopse:
 
Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. Mas Lewis não parou por aí, Seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como As crônicas de Nárnia.
Nos últimos cinquenta anos, As crônicas de Nárnia transcenderam o gênero da fantasia 'para se tornar parte do cânone da literatura clássica. Casa um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações.
Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume magnífico. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, As crônicas de Nárnia continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades, mesmo cinquenta anos após terem sido publicadas pela primeira vez.”

  Em O Sobrinho do Mago, Digory teve que se mudar para Londres por conta da doença de sua mãe. Assim ela poderia ficar com seus irmãos André e Letícia.
  Digory, então conhece Polly que é vizinha de seus tios, e os dois passam a brincar juntos. Eles descobrem que uma passagem que fica no sótão da casa de Polly pode passar pelos sótão de todas as casas do quarteirão, e resolvem ir explorar a casa vazia que ficava depois da casa dos tios de Digory. Mas
acabam errando o caminho e indo parar no sótão da casa de Digory, lugar em que seu tio esquisito está sempre trancado. Tio André os prende lá dentro e oferece a Polly um anel amarelo, mas este não era um simples anel, e sim, um anel capaz de transportar uma pessoa para um outro mundo.
  E foi exatamente isso que aconteceu com Polly, e Digory se vê obrigado a ir atrás da amiga para trazê-la de volta, pois aquele anel não poderia fazer isso.

  “ –Polly, não banque a idiota! –gritou ele. –Não toque nos anéis!
  Era tarde demais. Polly já tinha pegado um anel. E imediatamente, sem barulho, sem um clarão, sem nenhum aviso, já não existia Polly. Digory e tio André estavam agora sozinhos na sala.” Pág. 16

  Polly e Digory são apenas duas crianças em busca de aventura, e tio André se aproveita disso e os envia para esse outro mundo, do qual ele não sabe nada, e que não tem coragem para ir.
  Essa primeira crônica conta sobre a criação de Nárnia, e também como a Feiticeira que todos conhecemos foi parar lá. É realmente uma pena que os filmes tenham começado a partir de O Leão, a Feiticeira e o guarda-roupa, pois pula toda essa parte de como Nárnia foi criada, que é o tema mais legal de O Sobrinho do Mago.

  Essa é apenas a resenha da primeira crônica do livro As Crônicas de Nárnia, o resto eu vou postar de acordo com que eu for terminando.

4 comentários:

  1. Eu estou lendo Nárnia e estou querendo fazer o mesmo(uma resenha para cada livro). Mas eu tenho medo de dar spoiler nos últimos livros por isso que vou lê-lo todo primeiro.
    Eu penso o mesmo, acho que deveriam ter feito um filmo sobre esse livro também.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei como é esse negócio do spoiler, eu também estava pensando a mesma coisa, vou ter que prestar bem atenção no que estou escrevendo.
      Quando você fizer a resenha me avisa para eu poder ler!
      Bjs

      Excluir
  2. Eu gostei desse conto na verdade gosto de todos eles amo narnia

    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também adoro, esse primeiro eu adorei!
      Bjs

      Excluir

Fique à vontade para comentar nas postagens no blog! É sempre um prazer saber o que você pensa.
Se tiver um blog, deixe o link aqui! Ficarei feliz em retribuir a visita!